Select Menu

Slider

Edmundo Santana dos Santos. Tecnologia do Blogger.

Curiosidades

  A Diabetes é uma doença bastante comum à nossa população e que não é tratada com a devida importância por seus portadores, devido alguns sintomas as vezes silenciosos.  Temos a Tipo I ( aquela adquirida) e conhecida por Insulino-dependente, o portador produz pouca ou quase nada de insulina e a Tipo II (ligada à hereditariedade), ou seja, com cunho genético a Não insulino-dependente. 
  Na  primeira citada, temos a destruição das células Beta, uma ação autoimune, quando o próprio organismo é atacado pelo sistema Imunitário (linfócitos B/plasmócitos) produzem anti-corpos contra as células. A diabetes está ligada ao descontrole nos níveis séricos (soro sanguíneo) de glicose, um distúrbio na Gliconeogenese e na Glicogenólise em nível muscular e hepático. Estes níveis altos pode provocar, necrose de membros inferiores principalmente, retinopatia diabética (destruição da retina) nefropatia diabética, problemas neurológicos, coração, artérias entre outros. O portador pode ter uma vida normal, com boa qualidade de vida, desde que siga as recomendações medicas e use corretamente os medicamentos bem como a administração de insulina. 






Resultado de imagem para diabetes mellitus


Resultado de imagem para diabetes mellitus 

by bolha 
- - - - - -
  Conhecida também por Pneumonia Asiática, por conta da região epidemiológica.  Provocada pelo CoV (coronavírus), com material genético formado por RNA.  Estudos recentes, indicam também alguns vírus da Família Paramixoviridae e Metapneumoviridae possam causar esta síndrome. A contaminação e de pessoa a pessoa, através de gotículas de saliva (perdigotos) , secreções pulmonares/nasais. 


Resultado de imagem para SARS coronavirus eletrofotomicrografia do CoV . 


Resultado de imagem para SARS coronavirus


Resultado de imagem para SARS coronavirus
by bolha 
    As siglas desses vírus causadores de gripe, mas que podem também afetar o Sistema Nervoso e até alguns órgãos do Sistema Digestório, nada mais são que: H - de Hemaglutinina e N - de Neuraminidase, e cada diferença bioquímica verificada, temos os subtipos: H1N2, H1N3, H1N4 e H5N1, H5N2... infectam suínos e aves H1N1 e H5N1 respectivamente. Estes animais servem de reservatório biológico para o ciclo do vírus, estes, nada mais são que mutações sofridas ao longo do tempo do já conhecido vírus influenza (gripe comum) , aquele mesmo da gripe espanhola, que dizimou milhares de pessoas pelo mundo no início do século XX, uma verdadeira Pandemia. 
  Segundo alguns pesquisadores, o grande surto de "gripe aviária" iniciou em Hong Kong, com o diagnóstico positivo em 18 indivíduos que apresentavam os mesmo sintomas clínicos em 1997, destes 6 vieram a óbito. A transmissão desses vírus, ocorre principalmente entre o contato de seres humanos com secreções respiratórias dos animais reservatórios. O material genético de ambos é o RNA (retrovírus), portanto devemos lembrar das aulas do professor Bolha que estes, carregam enzimas transcriptases que realizam a conversão do RNA viral em DNA viral e então adentrar ao núcleo da célula hospedeira e acoplar a cadeia do DNA, nesse momento, a célula perde sua capacidade de produção normal e passa então a produzir novas cápsulas virais (capsídios) conforme as instruções, informações no "novo DNA" celular. 

- Sintomas:  Febre 38º C ;
                    Dores musculares;
                    Garganta inflamada;
                    Dor de cabeça (cefaléia);
                    Diarreia esporádica;
                    Irritação nos olhos;
                    Tosse e Falta de ar. 


Resultado de imagem para virus h1n1 e h5n1 sintomas clinicos eletromicrografia do vírus H5N1
Resultado de imagem para virus h1n1 e h5n1 sintomas clinicos Raio X do tórax - exame realizado para verificar a integridade e lesões nos pulmões. 

Resultado de imagem para virus h1n1 e h5n1 sintomas clinicos desenho mostrando o capsídio, o envelope de lipídos e as PS : Hemaglutinina e Neuraminidase. 


Resultado de imagem para virus h1n1 e h5n1 sintomas clinicos



by professor bolha 

- - - - - -
O link abaixo explica bem detalhadamente os três processos fundamentais da bioquímica dos ácidos nucleicos o ADN ácido desoxirribonucleico e o ARN ácido ribonucleico. Realizado Centro de Ciências Biológicas, Departamento de Biologia Geral para o curso de Zootecnia: O link abaixo é uma divertida e instrutiva maneira de compreender os mecanismos inerentes ao DNA, divirta-se



http://www.uel.br/pessoal/rogerio/genetica/respostas/pratica_03.html



Resultado de imagem para DNA
Vídeo com explicações sobre nano-robôs que liberam fármacos nas células



Existem diversos trabalhos de pesquisa que utilizam a nanotecnologia na administração de medicamentos, principalmente os chamados quimioterápicos, que na maioria das vezes acaba por provocar efeitos colaterais devastadores por conta de serem também absorvidos pelas células saudáveis. Os investimentos devem ser aumentados em todos os trabalhos nesta área da medicina oncológica.


   Esse distúrbio digestivo, ocorre devido a diversos fatores. Do grego Dys que significa ruptura ou dificuldadade e pepse igual a digestão. Problemas como gastrite, esofagite, refluxo gástrico, hérnias hiatais, esôfago de Barrett e até mais graves como úlceras pépticas e câncer. Ela se manifesta na topografia do estômago, na região chamada epigástrica que compreende o umbigo até o tórax (boca do estômago). Os principais sintomas são: náuseas, eructações (arrotos), saciedade pós prandial (após a refeição), distensão do abdômen, sensação de dor, queimação, refluxo gastroesofágico e até mesmo a Síndrome do intestino irritável. 

  O tratamento realizado pelo médico, tem a seguinte terapêutica:


  • medicamentos que aumentam a motilidade do aparelho digestório os chamados procinéticos;
  • bloqueadores de H2 ; 
  • Inibidores da bomba de prótons;
  • Antidepressivos em baixas dosagens;
  • Antibióticos no caso de infecção por Helicobacter pylori principalmente. 
Sugestões para melhorar a qualidade de vida:

- Comer em lugares mais tranquilos;
- mastigar bastante;
- Evitar refeições em grandes quantidades;
- Se alimentar de 03 (três) em 03 (três) horas;
- Evitar alimentos gordurosos, frituras, café, leite, cigarro e bebidas alcoólicas. 







by bolha 







Trombocitose ou hiperplaquetose ou plaquetocitose: neste evento fisio-patológico temos um aumento das plaquetas (resíduos de megacariócitos que são as células precursoras das plaquetas), ultrapassando a contagem usada como parâmetro que é cerca de 250.000 a 450.000 por mm3 de sangue, quando a mensuração é de 700,000 acima e está pode ser provocada por diversos fatores que ocorrem na medula óssea vermelha como neoplasias medulares: leucemias plaquetárias, megaloblásticas, mielofibrose, linfomas e etc., estas patologias levam à um tipo de trombocitose denominada primária. 

Trombocitopenia ou plaquetomenia ou hipoplaquetose: neste caso temos uma baixa na contagem de plaquetas, cuja contagem deve bem menor que 200.000 por mm3 de sangue. O que pode causar o problema: Aumento do baço (esplenomegalia), infeção por HIVs/HTLV I e II, Púrpura trombocitopênica trombótica e Idiopática, Lúpus Eritematoso Sistêmico, infecções bacterianas e até alguns medicamentos como: Furosemida, Antinflamatórios não esteroides, Penicilina, Quinino, Sulfamidas, Ranitidina. 


 Esfregaço sanguíneo eosina  mostrando as plaquetas (setas) 
trombocitopenia 

       
 Mielograma apresentando trombocitose 



by Bolha 
- - - - - - - - -
Museu bastante importante para quem curti o conhecimento, as Ciências, a Cultura e os hábitos da sociedade. Recomendo a todos que forem à São Paulo, apreciem com moderação, não esqueça de pegar a senha para ir ao Laboratório de Química.





 Doença neurodegenerativa autossômica dominante, heredodegenerativa, multissistêmica, o gene está presente em um dos 44 cromossomos autossômicos, aqueles responsáveis pelas características não ligadas aos cromossomos sexuais X ou Y.  Patologia comum na Ilha dos Açores em Portugal e o nome da Síndrome vem dos patriarcas das famílias portadoras da doença e ou dos genes.

  Sintomas: perda do controle muscular, coordenação motora fortemente afetada, problemas de deglutição, problemas na visão [visão dupla e deturpada, devido à dificuldade no controle dos bulbos oftálmicos (globo ocular)]

  Os estudos anato-patológicos revelam perda neuronal e gliose (formação de processo de cicatrização realizado pelas células de suporte, os chamados gliócitos) isso devido à perda dos neurônios, isto ocorre nas seguintes regiões: substância negra, núcleo dos nervos pontinos (ponte), núcleo denteado do cerebelo, e ainda em outros nervos do crânio, trato espinocerebelares, Esta Síndrome é do grupo das ataxias cerebelares.




 áreas do sistema nervosoacometidas pela Doença MJ  images de CT (tomografia computadorizada). 


by bolha 
A etanolamina é uma Amina produzida pelo organismo humano, proveniente de várias reações químicas: principalmente a amônia (NH3)

DESCRIÇÃO MONOETANOLAMINA (MEA) é a mais simples das etanolaminas e resulta da reação de amônia com óxido de eteno. Reagindo-se MEA com óxido de eteno, obtém-se DIETANOLAMINA (DEA) e, a partir desta, adicionando-se mais óxido de eteno, TRIETANOLAMINA (TEA). 

MONOETANOLAMINA, DIETANOLAMINA e TRIETANOLAMINA são pouco voláteis à temperatura ambiente. Higroscópicas, podem apresentar-se na forma sólida ou líquida, dependendo da temperatura e do grau de pureza. Atuam, principalmente, como agentes alcalinizantes e inibidores de corrosão. A OXITENO produz as seguintes etanolaminas: Produto Descrição Química n.º CAS (1) MONOETANOLAMINA Monoetanolamina 141-43-5 DIETANOLAMINA Dietanolamina 111-42-2 DIETANOLAMINA W Dietanolamina em solução aquosa 111-42-2 TRIETANOLAMINA 99 Trietanolamina 99% 102-71-6 

TRIETANOLAMINA 99 W Trietanolamina em solução aquosa 102-71-6 TRIETANOLAMINA 85 Trietanolamina 85% 102-71-6 TRIETANOLAMINA D Trietanolamina 90% 102-71-6 DIETANOLAMINA W e TRIETANOLAMINA 99 W referem-se a versões modificadas dos produtos DIETANOLAMINA e TRIETANOLAMINA 99, respectivamente, aditivados para facilitar o manuseio, de modo a reduzir o risco de solidificação em equipamentos e tubulações sem aquecimento. 



 Cadeia da etanolamina  : dois carbonos, ligados por uma ligação sigma e um grupo funcional álcool e um grupo funcional amina


Cadeia da fosfoetanolamina, temos a incorporação de um fosfato/ácido fosfórico  (H2PO4) , por conta de ser um medicamento, comparem as diferenças entre as duas cadeias. 

by bolha 




Sugestão de Postagens

Talk Bolha